Abrir Menu

Mantenha-se SEMPRE INFORMADO

O que faz um Psicanalista?

“A Psicanálise é em essência, a cura pelo Amor.”

Sigmund Freud

Sigmund Freud, médico neurologista, foi o criador da Psicanálise. Usando todo o rigor científico disponível a partir da década de 1880, Freud adentrou ao campo da subjetividade da alma humana e deixou ao mundo o legado de uma extensa obra teórica e uma metodologia clínica que tem se provado no decorrer destes 120 anos de existência, ser a ferramenta mais eficaz para autoconhecimento.

 

Afinal, o que é Psicanálise?

 

A Psicanálise é um método clínico-terapêutico criado por Sigmund Freud no início do século XX e que prioriza a formulação do inconsciente como fator fundamental para a saúde psíquica de uma pessoa e atribui aos traumas (principalmente os sofridos na infância), serem os fatores geradores de neuroses que causam sofrimento ao ser humano, como, por exemplo: Ansiedade, Angústia, Obsessão, Compulsão, Fobias, Síndrome do Pânico, Depressão e etc..

O método Psicanalítico consiste em deixar que o analisando fale livremente sobre si mesmo e sobre aquilo que o incomoda, para que o próprio paciente tome conhecimento daquilo o que interfere em sua vida psíquica e que lhe causa desconforto. A partir daí, auxiliado pelo Psicanalista, o analisando elabora (ressignifica) seus traumas e minimiza seus sintomas e neuroses.

 
 

É necessário ser Médico ou Psicólogo para se tornar Psicanalista?

 

Não! Médicos e Psicólogos são bem vindos para integrar a comunidade psicanalítica, mas esta formação é também aberta a outros ramos do conhecimento, por exemplo as ciências humanas, sociais e áreas afins.

O próprio Freud cuidou de responder a esta questão em 1926 em sua obra “A questão da análise leiga”. Freud ao ser indagado pelo contexto psicanalítico de 1926, responde a esta questão após conceber que , mesmo se valendo dos conhecimentos da medicina, filosofia e dos escassos conhecimentos da recém nascida psicologia para criar a Psicanálise, não era pré-requisito ter uma formação em medicina ou qualquer outro campo de áreas afins (filosofia ou psicologia) para exercê-la no dia a dia, pois a psicanálise se configura como uma técnica e teoria "impar" do conhecimento humano, transferindo assim, a responsabilidade total da formação destes profissionais aos institutos de formação específicos do campo psicanalítico cujo conhecimento e tradição vem sendo transferidos a cada geração de psicanalistas.

Portanto, Médicos, Psicólogos, Professores, Advogados, Administradores, Enfermeiros, Economistas, Filósofos, entre outros, podem se tornar Psicanalistas, basta a pessoa ter uma formação em nível superior e se submeter a formação Psicanalítica que é obrigatoriamente pautada no tripé composto por aulas teóricas, análise pessoal e supervisão clínica.

 

Qual a área de atuação do Psicanalista?

É muito importante que o caro leitor compreenda que o Psicanalista não é Psicólogo nem Psiquiatra. Segundo o CB0 nº 2525-50 do Ministério do Trabalho e Emprego, a partir da formação ministrada nos Institutos e Sociedades de Psicanálise na modalidade de Cursos Livres, o Psicanalista depois de formado estará apto para atuar nas seguintes áreas:

 

1 - AVALIAR COMPORTAMENTOS INDIVIDUAL, GRUPAL E INSTITUCIONAL:

Triar casos, entrevistar pessoas, levantar dados pertinentes, observar pessoas e situações, escutar pessoas ativamente. Investigar pessoas, situações e problemas, sistematizar informações, elaborar pareceres, responder a quesitos técnicos judiciais, devolver resultados (devolutiva).

2 - ANALISAR, TRATAR INDIVÍDUOS, GRUPOS E INSTITUIÇÕES:

Propiciar espaço para acolhimento de vivencias emocionais (setting), oferecer suporte emocional, tornar consciente o inconsciente, propiciar a criação de vínculos paciente-terapeuta, interpretar conflitos e questões, elucidar conflitos e questões, promover a integração psíquica, promover o desenvolvimento das relações interpessoais, promover desenvolvimento da percepção interna, mediar grupos, família e instituições para solução de conflitos, dar aula.

3 - ORIENTAR INDIVÍDUOS, GRUPOS E INSTITUIÇÕES:

Propor alternativas para solução de problemas, informar sobre o desenvolvimento do psiquismo humano, aconselhar pessoas, grupos e famílias, orientar grupos profissionais, orientar grupos específicos (pais, adolescentes, etc.), assessorar instituições.

4 - ACOMPANHAR INDIVÍDUOS GRUPOS E INSTITUIÇÕES:

Acompanhar impactos em intervenções, acompanhar o desenvolvimento e a evolução do caso, acompanhar o desenvolvimento de profissionais sem formação e especialização, acompanhar resultados de projetos, participar de audiências.

5 - EDUCAR INDIVÍDUOS GRUPOS E INSTITUIÇÕES:

Estudar caso em grupo, apresentarem estudos de caso, ministrar aulas, supervisionar profissionais da área e de áreas afins, realizar trabalhar para desenvolvimento de competência e habilidades profissionais, formar psicanalistas, desenvolver cursos para grupos específicos, confeccionar manual educativo, desenvolver curso para profissionais de outras áreas, propiciar recursos para o desenvolvimento de aspectos cognitivos, acompanhar resultados de curas, treinamento.

6 - DESENOLVER PESQUISAS EXPERIMENTAIS, TEÓRICOS E CLÍNICAS:

Investigar o psiquismo humano, investigar o comportamento individual, grupal e institucional, definir o problema e objetivos, pesquisar bibliografias, definir metodologia de ação, estabelecer parâmetros de pesquisa, construir instrumentos de pesquisa, coletar dados, organizar dados, compilar dados, fazer leitura de dados, integrar produtos de estudos de caso.

7 - COORDENAR EQUIPES DE ATIVIDADES DE ÁREAS AFINS:

Planejar as atividades da equipe, programar atividades gerais, programar atividades da equipe, distribuir tarefas a equipe, trabalhar a dinâmica da equipe, monitorar atividades das equipes, preparar reuniões, coordenar reuniões, coordenar grupos de estudos, organizar eventos, avaliar propostas e projetos,avaliar e executar as ações.

8 - PARTICIPAR DE ATIVIDADES PARA CONSENSO E DIVULGAÇÃO PROFISSIONAL:Participar de palestras, debates, entrevistas, seminários, simpósios, participar de reuniões científicas (Congressos, etc.), publicar artigos, ensaios de livros científicos, participar de comissões técnicas, participar de conselhos municipais, estaduais e federais, participar de entidades de classe, participar de evento junto aos meios de comunicação, divulgar práticas do psicanalista, fornecer subsídios às estratégias organizacionais, fornecer subsídios à formação de políticas organizacionais, buscar parcerias, ética e organizacional.

9 - REALIZAR TAREFAS ADMINISTRATIVAS:

Redigir pareceres, redigir relatórios, agendar atendimentos, receber pessoas, organizar prontuários, criar cadastros, redigir ofícios, memorandos e despachos, compor reuniões administrativas técnicas, fazer levantamento estatístico, comprar material técnico, prestar contas.

10 - DEMONSTRAR COMPETÊNCIAS PESSOAIS:

Manter sigilo, cultivar a ética,demonstrar ciência sobre o código de ética profissional, demonstrar ciência sobre a legislação pertinente, demonstrar bom senso, respeitar os limites de atuação, ser psico-analisado, ser psicoterapeutizado, demonstrar continência (Acolhedor), demonstrar interesse pela pessoa, ser humano, ouvir ativamente (saber ouvir), manter-se atualizado, contornar situações adversas, respeitar valores e crenças dos clientes, demonstrar capacidade de observação, demonstrar habilidade de questionar, amar a verdade, demonstrar autonomia de pensamento, demonstrar espírito crítico, respeitar os limites do cliente e tomar decisões em situações de pressão.

É de competência do psicanalista ajudar o cliente a encontrar um caminho de equilíbrio interior.

Ao trazer para o plano consciente o conteúdo inconsciente (traumas, medos, lembranças, sonhos...) através de técnicas como: livre associação, interpretação dos sonhos, interpretação dos símbolos o profissional conduz o cliente no processo terapêutico que reorganiza traumas e conflitos interiores, escavando no mais profundo do inconsciente humano as causas e respostas para o sofrimento psíquico promovendo melhora substancial.

 

Qual a é a rotina de um Psicanalista?

O dia a dia do Psicanalista é basicamente dedicado a atuação clínica, podendo se desdobrar a partir da prática clinica para atividades ligadas a promoção do conhecimento psicanalítico seja ministrando aulas, conferências e congressos ou publicando obras bibliográficas.

 

Como funciona uma terapia em psicanálise?

 

Os atendimentos são realizados em sessões individuais, semanais com duração de 50 minutos. O profissional ajuda seus clientes a lidar com distúrbios emocionais tais como: ansiedade, depressão, fobias, ataques de pânico e as demais questões que desencadeiam quadros psicológicos no qual o emocional está abalado de alguma forma.

 

__________________________________________________________________________________

Caso tenha permanecido alguma dúvida, contate-nos, será um prazer atendê-lo.

secretaria@acadpsi.com.br

VOLTAR